Top 5: os dribles mais humilhantes em clássicos cariocas no século 21

Não há dúvida de que o gol é a catarse do futebol. Assim que a bola entra na rede, ela entra também na história do clube e de todos os torcedores que testemunharam aquele momento. Mas, em certas ocasiões, mais memorável que o próprio gol é um drible desconcertante. É aquela caneta bem dada, que o adversário fica perdido, sem saber onde está. Aquele ‘balãozinho’ que tira até o fio de cabelo do adversário. Ou aquela lambreta que o zagueiro fica cheio de vergonha de continuar em campo.

E, para relembrar esses momentos de extrema categoria do futebol, listei os cinco dribles mais humilhantes em clássicos cariocas no século 21. Flamenguistas, vascaínos, tricolores, botafoguenses e amantes de uma boa firula, preparem-se para rever dribles que entraram para história recente do futebol carioca. Confira:

5º – Maicosuel – Botafogo 2 x 2 Flamengo (2009)

Primeira partida da final do Campeonato Carioca

De 2007 a 2010, só deu Botafogo e Flamengo na decisão do Campeonato Carioca. Foram jogos memoráveis que renderam histórias inesquecíveis para suas torcidas. Mas quem lembra de um desses confrontos decisivos com um sabor amargo é o lateral-esquerdo Juan, que hoje defende as cores do Tombense-MG. Em 2009, ele protagonizou um duelo com Maicosuel. Reza a lenda que o ex-jogador do time da Gávea está, até hoje, procurando o meio campista. O alento de Juan é que, ao menos, o caneco do Campeonato Carioca daquele ano foi para a sala de troféus do Flamengo, que derrotou o Alvinegro nas disputas de pênaltis por 4 a 2.

4º – Deco – Fluminense 1 x 2 Vasco da Gama (2011)

37ª rodada do Campeonato Brasileiro

O famoso ditado “provou do próprio veneno” nunca fez tanto sentido como nesse caso. Felipe “Maestro”, que gostava de castigar seus adversários com  dribles desconcertantes (não é à toa que ele está presente na lista), sentiu na pele o que é ser humilhado. O ex-meio campista Deco deu um balão de rara felicidade no ídolo vascaíno. O brasileiro naturalizado português, no entanto, não conseguiu evitar a derrota para o Gigante da Colina, que, na ocasião, garantiu mais três pontos no Campeonato Brasileiro de 2011.

3º – Felipe – Vasco 0 x 0 Flamengo (2010)

12ª rodada do Campeonato Brasileiro

Em 2004, Felipe, o então camisa 10 do Flamengo, deu um show no Maracanã (clique aqui e relembre o que o craque aprontou). Humilhou os defensores vascaínos e levou o título carioca para a Gávea. Seis anos mais tarde, agora pelo Vasco, Felipe foi mais uma vez protagonista do clássico, embora ele não tenha feito gol e nem dado nenhuma assistência. O destaque ficou por conta dessa caneta que o ex-meio campista aplicou no atacante Borja. Eita! Ficou feio para o colombiano, não?

2º – Adriano “Imperador” – Flamengo 2 x 0 Fluminense (2009)

27ª rodada do Campeonato Brasileiro

Adriano Leite Ribeiro. Adriano. Didico. Imperador. Chame como você preferir. Fato é o que o ano de 2009 foi a temporada que os súditos rubro-negros se renderam ao talento do ex-atacante do Flamengo. Naquele ano, o ídolo da nação marcou 19 gols e liderou, ao lado de Petkovic, o time ao hexacampeonato do Brasileirão. Uma de suas vítimas foi o Fluminense. O Imperador balançou duas vezes as redes do time das Laranjeiras e bagunçou completamente a defesa tricolor. No fim do jogo, com o placar já definido a favor do Flamengo, Adriano aplicou uma caneta daquelas em cima do ex-zagueiro tricolor Cássio. Época de ouro para o camisa 10 da Gávea. O menino Didico estava voando baixo nesse ano. 

1º – Conca – Fluminense 3 x 0 Flamengo (2014)

7ª rodada do Campeonato Carioca – Taça Guanabara

Darío Conca. O nome que nenhum tricolor apaga da memória. O meia argentino fez história com a camisa do Fluminense, participou da conquista de títulos nacionais e foi protagonista de uma era memorável do clube das Laranjeiras. Arisco, habilidoso e muito rápido com a bola no pé. Tão rápido que Wallace, ex-zagueiro do Flamengo, nem viu Conca passar, de calcanhar, as bolas por baixo de suas pernas. Essa obra de arte merece estar no topo dessa lista, não merece?

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *